NOTICIAS

Categoria de publicação de noticias padrão do site

Os coronavírus (CoV) são uma grande família viral, conhecidos desde meados dos anos 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderada, semelhantes a um resfriado comum. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem. Os coronavírus comuns que infectam humanos são alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Alguns coronavírus podem causar síndromes respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda grave que ficou conhecida pela sigla SARS da síndrome em inglês “Severe Acute Respiratory Syndrome”. SARS é causada pelo coronavírus associado à SARS (SARS-CoV), sendo os primeiros relatos na China em 2002. O SARS-CoV se disseminou rapidamente para mais de doze países na América do Norte, América do Sul, Europa e Asia, infectando mais de 8.000 pessoas e causando entorno de 800 mortes, antes da epidemia global de SARS ser controlada em 2003. Desde 2004, nenhum caso de SARS tem sido relatado mundialmente.

Em 2012, foi isolado outro novo coronavírus, distinto daquele que causou a SARS no começo da década passada. Esse novo coronavírus era desconhecido como agente de doença humana até sua identificação, inicialmente na Arábia Saudita e, posteriormente, em outros países do Oriente Médio, na Europa e na África. Todos os casos identificados fora da Península Arábica tinham histórico de viagem ou contato recente com viajantes procedentes de países do Oriente Médio – Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes e Jordânia.

Pela localização dos casos, a doença passou a ser designada como síndrome respiratória do Oriente Médio, cuja sigla é MERS, do inglês “Middle East Respiratory Syndrome” e o novo vírus nomeado coronavírus associado à MERS (MERS-CoV).

Manifestações Clínicas

Os coronavírus humanos comuns causam infecções respiratórias brandas a moderadas de curta duração. Os sintomas podem envolver coriza, tosse, dor de garganta e febre. Esses vírus algumas vezes podem causar infecção das vias respiratórias inferiores, como pneumonia. Esse quadro é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou em idosos.
O MERS-CoV, assim como o SARS-CoV, causam infecções graves. Para maiores informações sobre as manifestações clínicas do MERS-CoV, acesse a página sobre MERS-CoV.

Período de incubação

De 2 a 14 dias

Período de Transmissibilidade

De uma forma geral, a transmissão viral ocorre apenas enquanto persistirem os sintomas É possível a transmissão viral após a resolução dos sintomas, mas a duração do período de transmissibilidade é desconhecido para o SARS-CoV e o MERS-CoV. Durante o período de incubação e casos assintomáticos não são contagiosos.

Transmissão inter-humana

Todos os coronavírus são transmitidos de pessoa a pessoa, incluindo os SARS-CoV, porém sem transmissão sustentada. Com relação ao MERS-CoV, existem a OMS considera que há atualmente evidência bem documentada de transmissão de pessoa a pessoa, porém sem evidencias de que ocorra transmissão sustentada.

Modo de Transmissão

De uma forma geral, a principal forma de transmissão dos coronavírus se dá por contato próximo* de pessoa a pessoa.

* Definição de contato próximo: 
Qualquer pessoa que cuidou do paciente, incluindo profissionais de saúde ou membro da família; que tenha tido contato físico com o paciente; tenha permanecido no mesmo local que o paciente doente (ex.: morado junto ou visitado).

Fonte de infecção

A maioria dos coronavírus geralmente infectam apenas uma espécie animal ou, pelo menos um pequeno número de espécies proximamente relacionadas. Porém, alguns coronavírus, como o SARS-CoV podem infectar pessoas e animais. O reservatório animal para o SARS-CoV é incerto, mas parece estar relacionado com morcegos. Também  existe a probabilidade de haver um reservatório animal para o  MERS-CoV que foi isolado de camelos e de morcegos.

Fonte: http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/doencas-de-transmissao-respiratoria/coronavirus.html

 

  • Insônia aguda: Duração curta, usualmente menos de um mês, e presença de um fator desencadeante identificável.
  • Insônia associada a transtornos mentais: Causada por/associada a um transtorno psiquiátrico subjacente (sintoma de um transtorno mental). Frequentemente associada aos transtornos de humor e aos transtornos de ansiedade.
  • Insônia associada a doenças médicas: Causada por/associada a uma condição clínica específica. Pode manifestar-se como insônia inicial, manutenção, ou, ainda, suscitar o relato de sono não restaurador. São condições clínicas frequentemente relacionadas: asma, hipertireoidismo, insuficiência cardíaca, síndromes dolorosas crônicas, menopausa, gravidez e doenças que acometem o sistema nervoso central.
  • Insônia associada a má higiene do sono: Presença de comportamentos que sejam incompatíveis com uma boa qualidade de sono. São exemplos desses comportamentos: cochilos, atividades físicas e intelectuais intensas próximas ao sono e atividades como assistir TV, alimentar-se ou ler na cama.
  • Insônia associada ao uso de medicamentos ou substâncias: Insônia secundária/associada ao consumo ou à interrupção do uso de medicamentos ou substâncias, como: antidepressivos, benzodiazepínicos, cafeína, teofilina, pseudoefedrina, álcool, corticoides e medicações antiepilépticas.
  • Insônia psicofisiológica: Somatória do estado de hiperalerta e associações aprendidas que comprometam o sono, como a “ruminação”.
  • Insônia paradoxal: Queixa de insônia sem a presença de comprometimento diurno ou o comprometimento é desproporcional à queixa.
  • Insônia idiopática: Início na infância, com longo tempo de evolução e impacto nas atividades diárias, além de ausência de fato precipitante.
  • Insônia comportamental da infância: Decorrente de uma disfunção comportamental específica, como falta de limites ou associação inadequada. Frequentemente, esse transtorno é acompanhado de alterações comportamentais diurnas, principalmente quanto à dificuldade de respeitar limites. As repercussões diurnas são comuns tanto nos pais quanto nas crianças.

Fonte: Fonte: Fascículo 2 do livro Depressão e seus Impactos

O sono é uma condição fisiológica de atividade cerebral, natural e periódica, caracterizada por modificações do estado de consciência e redução da sensibilidade aos estímulos ambientais, acompanhadas por características motoras e posturais próprias, além de alterações autonômicas. A ocorrência do sono em ciclos previsíveis e natural capacidade de reversão de um estado de relativa não reação a estímulos externos (sono-vigília) são condições que permitem distinguir o sono de estados de perda de consciência patológicos.

A função do sono, ainda mal conhecida, continua a ser explorada. Dentre as hipóteses aventadas, existem as de promover a facilitar a conservação de energia e da função ecológica, o aprendizado e a memória por meio de mudanças na plasticidade cerebral e na sinaptogênese o processo restaurativo de componentes-chave celulares de biossíntese de macromoléculas.

É hora de aproveitar o verão, estação mais quente do ano que vem acompanhada de muito sol, praia e descanso, mas que também pode ser sinônimo de alguns probleminhas chatos de pele, como queimaduras solares, ressecamento e as incômodas micoses.

Por isso, o cuidado deve ser redobrado para você curtir o calor sem se preocupar, enquanto mantém a pele saudável. Alguns cuidados são essenciais para te ajudar a curtir o verão sem prejudicar a saúde da sua pele.

Filtro Solar

O bom e velho protetor solar deve ser seu companheiro inseparável. Os raios solares causam danos irreversíveis na pele a curto e longo prazo. Desde vermelhidão acompanhada de ardência, às manchas e até câncer de pele. Invista em produtos com fator de proteção 30, no mínimo. Além disso, renove a proteção a cada duas horas, e após banhos de mar e de piscina.

Betacaroteno

Você quer pegar aquele bronze bonito sem abrir não da saúde da pele? Invista em alimentos ricos em betacaroteno. Os vegetais amarelos e alaranjados, como a manga, laranja e a cenoura, são as principais fontes desse nutriente. O betacaroteno é convertido em vitamina A e é um dos principais responsáveis pela saúde da pele.

Hidrate-se

Creme hidratante é um item indispensável, pois ajuda a evitar o ressecamento, manter o bronzeado e evitar que a pele descasque. Além disso, beber muito líquido é importante para manter a pele hidratada de dentro para fora, como água de coco, água mineral e sucos naturais.

Cuidados com a depilação

Estar com a depilação em dia é quase regra para quem quer desfilar pelas praias e piscinas sem se sentir desconfortável. Por isso, é essencial escolher o método certo para você. A maioria das pessoas opta pela depilação com cera ou lâmina, que podem ser agressivas e resultar ana temida foliculite, bolinhas vermelhas que surgem normalmente após a depilação, parecidas com acne e que podem até inflamar.

Cuidado com a micose

As temíveis micoses também são um pesadelo nessa época do ano. As praias e clubes, devido ao grande fluxo de banhistas, costumam ser verdadeiras estufas para fungos e bactérias. A saída é utilizar sabonetes antissépticos e também atentar-se aos sintomas, que podem incluir irritação na pele e coceiras.

Produtos

Evite esfoliar a pele com produtos muito agressivos durante os dias em que estiver expondo a pele ao sol. Ela tende a ficar mais sensível nessa situação e o uso de esfoliantes pode ser prejudicial.

Outra dica importante é abandonar produtos que contenham ácidos e ficar atento ao tempo de recuperação após tratamento a laser ou peeling. Agregada a esses fatores, a exposição solar pode resultar em manchas na pele.

Maria Lucia

Esteticista

Malu estética

A causa mais frequente da osteoporose é a diminuição dos hormônios sexuais nas mulheres, principalmente após a menopausa. Osteoporose significa a diminuição da concentração de cálcio nos ossos longos, tornando-os mais fracos. A baixa da resistência dos ossos provoca dores generalizadas e, nos casos mais graves, a ocorrência de fraturas. As fraturas mais frequentes em decorrência da osteoporose são as de região do quadril, punho e coluna vertebral.

O tratamento da osteoporose ainda está em desenvolvimento. Até o momento apenas se conseguiu manter a massa óssea, não se registrando reversão do quadro da osteoporose já instalada. Durante o tratamento, orienta-se o paciente a diminuir a ingestão de bebidas alcoólicas, evitar fumo e café, realizar exercícios regulares e prevenir a ocorrência de quedas acidentais. Além dessas recomendações, prescrevem-se medicações para correção hormonal, dependendo de cada paciente.

É muito importante o tratamento preventivo da osteoporose por meio de exercícios regulares, porque não temos ainda no mercado drogas que revertam o quadro.

Fonte: Pharmácia Essencial – www.pharmaciaessencial.com.br

Impor limites aos nossos filhos nos dias de hoje pode até parecer uma atitude muito autoritária, mas que não passa de uma demonstração de muito amor. Eles precisam desses limites para que aprendam a ter respeito perante os pais e aos próximos, e esse papel é de responsabilidade das famílias e muitas vezes tem um legado muito significativo dentro das escolas.

Um ponto principal nesta imposição de limites, é ter muita clareza naquilo que se quer impor. Ficar mudando de opinião toda hora pode deixar a criança confusa e com menos confiança.

Abaixo algumas dicas:

  • Cumprir sempre o que prometer para a criança;
  • Informar as regras e seus objetivos;
  • Não ameaçar;
  • Falar com segurança, de forma clara e segura;
  • Pedir apenas uma vez após o combinado;
  • Ser pais unidos.

Neste último ponto, se família mora junto é importante ter um diálogo e uma resposta igual para as coisas. Quando os pais são unidos o filho acaba tendo mais respeito perante os dois. O que não pode acontecer é um afirmar uma coisa e o outro dizer que não é assim. Isso apenas facilita o desentendimento dos pais e o não cumprimento por parte dos filhos. Sabemos que não é uma tarefa fácil, mas uma conversa, chamar atenção não vai fazer com que seu filho deixe de amar você.

É fundamental colocar limites, pois isso é um ato de amor. As crianças precisam respeitar seus pais, assim como você respeitou os seus. Se isso não acontecer agora, mais difícil vai ser na adolescência. Se você tiver dificuldades, não hesite em pedir ajuda, desde uma amiga, pois experiências das outras pessoas podem contribuir e muito nessas questões, ou até solicitar a ajuda de um profissional.

Educar é uma responsabilidade dos pais e que impacta na vida futura do seu filho.

Fonte: Escola Raio de Luz

A adoção de cães e gatos têm se tornado uma prática cada vez mais comum entre as pessoas. Muitos fatores contribuem para que esse tipo de ação seja vista de forma positiva, como a diminuição dos animais abandonados. Mesmo com o intenso trabalho de diversas ONGs e sociedades protetoras, em São Paulo, todos os dias são abandonados mais de 60 animais, somente no centro de Zoonoses. Adotando um animal que foi deixado na rua você estará ajudando a diminuir esse triste número, que cresce cada dia mais.

Adotar um pet, além de trazer alegria ao lar, também faz muito bem para o próprio animal, que agora vai ter seu próprio espaço e não vai mais precisar viver na rua ou em um lugar onde ele se sinta abandonado e não acolhido. Já imaginou, pegar um cachorro ou um gato em um abrigo e dar a ele o carinho e todos os cuidados que ele realmente merece? Sem contar a satisfação em ter contribuído para a vida deste animal, o que de fato, não tem preço.

Faça a adoção de forma consciente. Não se esqueça que se trata de uma vida que merece dedicação, amor, cuidado e respeito. Adotar um cão ou um gato é ganhar uma enorme fonte de carinho.

Não se esqueça de levar seu novo melhor amigo em um hospital veterinário para fazer exames de rotina. Ame e divirta-se com seu PET, sem moderação.

Fonte: Animal Care Ipiranga – Hospital Veterinário

Dentro do manual do veículo estão quase todas as informações que o proprietário deve saber para evitar a destruição prematura do automóvel. Nele você, usuário de automóvel, encontrará os cuidados necessários com a troca do óleo lubrificante, filtros e a periodicidade de troca. É de assustar a falta de conhecimento de muitos sobre o assunto. Não sabem qual tipo de óleo o carro utiliza, não sabem a diferença entre as mais diferentes qualidades de óleo, não sabem a diferença de um óleo mineral, semissintético e 100% sintético, não sabem quantos quilômetros o óleo especificado pelos fabricantes pode ser utilizado e nem em quais condições de uso o óleo deve ser substituído. Estando em completa ignorância sobre o assunto, os usuários ficam à mercê dos erros e atitudes oportunistas dos frentistas de postos de combustíveis e dos trocadores de óleo, que pouco ou nenhum conhecimento possuem sobre lubrificantes. Isso sem falar na atitude de muitos que acham que filtros devem ser decorativos, pois chegam a pedir a troca de óleo sem a substituição do filtro de óleo lubrificante.

Existem grandes empresas que investem verdadeiras fortunas em pesquisas e testes para formularem óleos com aditivação correta para a melhor preservação do seu veículo e, a partir dessas pesquisas, são elaboradas normas técnicas que vão ditar as regras para a fabricação dos lubrificantes. Infelizmente, no Brasil, a punição para fabricantes irresponsáveis ainda é insignificante, permitindo que seja despejado no mercado de lubrificantes verdadeiros lixos que são largamente consumidos por usuários de veículos completamente ignorantes  das necessidades do veículo.

Assim como você não tempera uma salada com óleo de soja, e sim com azeite de oliva, que é benéfico à saúde do corpo e aguça o paladar, fique sabendo que só você pode fazer a diferença sobre quanto tempo você utilizará seu carro sem problemas mecânicos por desgaste prematuro. Aprenda sobre o que é vital ao motor do seu automóvel, e principalmente se você não está rasgando dinheiro. O benefício do conhecimento sobre seu automóvel lhe trará uma economia considerável com o passar dos anos, além de manter seu automóvel valorizado na hora da venda.

Aimoré Homsi

Diretor Executivo da Tuarege Automotiva

Todos queremos ter saúde. Mas saúde não é uma coisa que temos e sim uma qualidade que somos. Ser saudável é uma arte em nossa convivência. Vai do começo ao fim da vida.

Uma parte depende de nós mesmos, e outra das ajudas que damos e recebemos. É importante ser saudável de corpo e de mente. Há uma série de atividades distribuídas nos sete dias da semana, uma espécie de pirâmide da Saúde:

  • Dieta alimentar: Seis dias na semana, tomar alimentos saudáveis de acordo com o próprio organismo e suas atividades. Isto vale para o corpo e mente. Quem se alimenta só de coisas e ideias inconsistentes se torna inconsistente. Mas um dia por semana vale relaxar, e isso faz bem.
  • Alongamentos diários de corpo e mente: A flexibilidade depende de alguns exercícios diários. Do lado físico bastam uns 10 minutos por dia. A mente também precisa de flexibilidade, assumir nossas diferenças, alongar nossa capacidade de compreensão e ajuda mútua. Isso vale para a vida toda.
  • Sono e repouso: cinco dias da semana, cuidar do sono e descanso. Mente e corpo precisam de descanso para recuperar energias. Às vezes precisamos nos concentrar nas atividades, mas dosar bem, senão prejudica a saúde.
  • Exercícios circulatórios: em quatro dias da semana, fazer exercícios para circular o sangue e também as ideias, para não ser sedentário e ter também mente aberta.
  • Exercícios intensivos: em três dias da semana, fazer exercícios físicos mais exigentes que levem a suar. Esforço mental, fazer o que não gosta, resolver problemas fazem bem. Quem busca só o lado fácil da vida afunda na primeira dificuldade.
  • Alimentar o lar da confiança: em dois dias na semana, dar atenção ao que alimenta nossa confiança. Boas amizades devem ser cultivadas. Nutrir os valores que dão energia interior e nos defendem nas decepções.
  • Encontro mais intenso com Deus: uma vez por semana ter tempo reservado para pensar, alimentar e meditar no sentido de nossa vida e em Quem nos guia nos altos e baixos. Mesmo quem não tem religião precisa desse encontro mais profundo com o sentido da vida. Ser saudável depende muito de nós, de nossos hábitos e iniciativas. Pela fé sabemos que Deus nos acompanha com carinho em cada passo da existência.

Fonte: Revista de Aparecida – setembro 2019

Muitas vezes ouvi professores dizerem a frase que dá o título à matéria que apresento hoje, cujo objetivo é convencer os alunos a expor com clareza o que vão defender, quando forem profissionais da informação.

Como pretendo chamar os eleitores para a grande responsabilidade que lhes cabe quando escolhem, através do voto, seus candidatos aos cargos públicos, insisto: nenhum político chega ao poder sem os votos que pediu e ganhou. Se vão cumprir com exatidão e retidão o que prometeram, é outra coisa. Veja como agem muitos que enganam os eleitores, com a maior cara de pau.

Levantamento feito pela imprensa, da última votação, diz que, de cada três deputados ou senadores eleitos, um está sendo processado pela Justiça. Em números absolutos, o fato é: 160 deputados e 38 senadores atuais estão respondendo a 540 acusações de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, improbidade administrativa, crime eleitoral e também assédio sexual. E mais: levantamento feito pela Procuradoria Geral do Ministério da Fazenda informa que dos 513 deputados eleitos na última votação, 96 deles e suas empresas devem, juntos, R$158 milhões de tributos no Brasil. 

Conclusão dolorosa

Não pagam impostos como todo ser mortal. Nem pretendem pagar. Dos partidos todos, só seis deles não elegeram pessoas investigadas ou acusadas pela Justiça, o que deveria acontecer naturalmente. A conclusão chega a ser dolorosa, qual seja: senhores escolhidos para zelar pela direção do país são péssimos exemplos, pois eles não levam vida honesta e justa. Certamente, entre os leitores, uns tantos vão dizer: “Eu não sabia…, votei ouvindo amigos, parentes…, não cheguei a essas informações vergonhosas”.

Óbvio que esse tipo de desculpa nunca valerá! Enquanto a maioria dos eleitores não assumir a obrigatoriedade de votar com postura de quem pretende ter gente digna e honesta à frente do país. O tempo da “propaganda política” não pode simplesmente ser imposição, peso, chateação que não interessa porque os que se apresentam não gozam de credibilidade.

Nossa dignidade  

No fundo, o que falta é a forma correta de conhecer e olhar a política como oportunidade de se zelar pelo bem comum, de assumir o bom público que diz respeito e faz parte da vida de cada cidadão. A vergonha de se ter entre os que são eleitos pessoas publicamente tidas como desonestas, aproveitadoras, mentirosas tem de mexer com a nossa dignidade e com a nossa postura omissa em não fazer da política o que ela deve ser.

Fonte: Revista de Aparecida – setembro 2019