Os coronavírus (CoV) são uma grande família viral, conhecidos desde meados dos anos 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderada, semelhantes a um resfriado comum. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem. Os coronavírus comuns que infectam humanos são alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Alguns coronavírus podem causar síndromes respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda grave que ficou conhecida pela sigla SARS da síndrome em inglês “Severe Acute Respiratory Syndrome”. SARS é causada pelo coronavírus associado à SARS (SARS-CoV), sendo os primeiros relatos na China em 2002. O SARS-CoV se disseminou rapidamente para mais de doze países na América do Norte, América do Sul, Europa e Asia, infectando mais de 8.000 pessoas e causando entorno de 800 mortes, antes da epidemia global de SARS ser controlada em 2003. Desde 2004, nenhum caso de SARS tem sido relatado mundialmente.

Em 2012, foi isolado outro novo coronavírus, distinto daquele que causou a SARS no começo da década passada. Esse novo coronavírus era desconhecido como agente de doença humana até sua identificação, inicialmente na Arábia Saudita e, posteriormente, em outros países do Oriente Médio, na Europa e na África. Todos os casos identificados fora da Península Arábica tinham histórico de viagem ou contato recente com viajantes procedentes de países do Oriente Médio – Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes e Jordânia.

Pela localização dos casos, a doença passou a ser designada como síndrome respiratória do Oriente Médio, cuja sigla é MERS, do inglês “Middle East Respiratory Syndrome” e o novo vírus nomeado coronavírus associado à MERS (MERS-CoV).

Manifestações Clínicas

Os coronavírus humanos comuns causam infecções respiratórias brandas a moderadas de curta duração. Os sintomas podem envolver coriza, tosse, dor de garganta e febre. Esses vírus algumas vezes podem causar infecção das vias respiratórias inferiores, como pneumonia. Esse quadro é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou em idosos.
O MERS-CoV, assim como o SARS-CoV, causam infecções graves. Para maiores informações sobre as manifestações clínicas do MERS-CoV, acesse a página sobre MERS-CoV.

Período de incubação

De 2 a 14 dias

Período de Transmissibilidade

De uma forma geral, a transmissão viral ocorre apenas enquanto persistirem os sintomas É possível a transmissão viral após a resolução dos sintomas, mas a duração do período de transmissibilidade é desconhecido para o SARS-CoV e o MERS-CoV. Durante o período de incubação e casos assintomáticos não são contagiosos.

Transmissão inter-humana

Todos os coronavírus são transmitidos de pessoa a pessoa, incluindo os SARS-CoV, porém sem transmissão sustentada. Com relação ao MERS-CoV, existem a OMS considera que há atualmente evidência bem documentada de transmissão de pessoa a pessoa, porém sem evidencias de que ocorra transmissão sustentada.

Modo de Transmissão

De uma forma geral, a principal forma de transmissão dos coronavírus se dá por contato próximo* de pessoa a pessoa.

* Definição de contato próximo: 
Qualquer pessoa que cuidou do paciente, incluindo profissionais de saúde ou membro da família; que tenha tido contato físico com o paciente; tenha permanecido no mesmo local que o paciente doente (ex.: morado junto ou visitado).

Fonte de infecção

A maioria dos coronavírus geralmente infectam apenas uma espécie animal ou, pelo menos um pequeno número de espécies proximamente relacionadas. Porém, alguns coronavírus, como o SARS-CoV podem infectar pessoas e animais. O reservatório animal para o SARS-CoV é incerto, mas parece estar relacionado com morcegos. Também  existe a probabilidade de haver um reservatório animal para o  MERS-CoV que foi isolado de camelos e de morcegos.

Fonte: http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/doencas-de-transmissao-respiratoria/coronavirus.html

 

  • Insônia aguda: Duração curta, usualmente menos de um mês, e presença de um fator desencadeante identificável.
  • Insônia associada a transtornos mentais: Causada por/associada a um transtorno psiquiátrico subjacente (sintoma de um transtorno mental). Frequentemente associada aos transtornos de humor e aos transtornos de ansiedade.
  • Insônia associada a doenças médicas: Causada por/associada a uma condição clínica específica. Pode manifestar-se como insônia inicial, manutenção, ou, ainda, suscitar o relato de sono não restaurador. São condições clínicas frequentemente relacionadas: asma, hipertireoidismo, insuficiência cardíaca, síndromes dolorosas crônicas, menopausa, gravidez e doenças que acometem o sistema nervoso central.
  • Insônia associada a má higiene do sono: Presença de comportamentos que sejam incompatíveis com uma boa qualidade de sono. São exemplos desses comportamentos: cochilos, atividades físicas e intelectuais intensas próximas ao sono e atividades como assistir TV, alimentar-se ou ler na cama.
  • Insônia associada ao uso de medicamentos ou substâncias: Insônia secundária/associada ao consumo ou à interrupção do uso de medicamentos ou substâncias, como: antidepressivos, benzodiazepínicos, cafeína, teofilina, pseudoefedrina, álcool, corticoides e medicações antiepilépticas.
  • Insônia psicofisiológica: Somatória do estado de hiperalerta e associações aprendidas que comprometam o sono, como a “ruminação”.
  • Insônia paradoxal: Queixa de insônia sem a presença de comprometimento diurno ou o comprometimento é desproporcional à queixa.
  • Insônia idiopática: Início na infância, com longo tempo de evolução e impacto nas atividades diárias, além de ausência de fato precipitante.
  • Insônia comportamental da infância: Decorrente de uma disfunção comportamental específica, como falta de limites ou associação inadequada. Frequentemente, esse transtorno é acompanhado de alterações comportamentais diurnas, principalmente quanto à dificuldade de respeitar limites. As repercussões diurnas são comuns tanto nos pais quanto nas crianças.

Fonte: Fonte: Fascículo 2 do livro Depressão e seus Impactos

O sono é uma condição fisiológica de atividade cerebral, natural e periódica, caracterizada por modificações do estado de consciência e redução da sensibilidade aos estímulos ambientais, acompanhadas por características motoras e posturais próprias, além de alterações autonômicas. A ocorrência do sono em ciclos previsíveis e natural capacidade de reversão de um estado de relativa não reação a estímulos externos (sono-vigília) são condições que permitem distinguir o sono de estados de perda de consciência patológicos.

A função do sono, ainda mal conhecida, continua a ser explorada. Dentre as hipóteses aventadas, existem as de promover a facilitar a conservação de energia e da função ecológica, o aprendizado e a memória por meio de mudanças na plasticidade cerebral e na sinaptogênese o processo restaurativo de componentes-chave celulares de biossíntese de macromoléculas.