• Insônia aguda: Duração curta, usualmente menos de um mês, e presença de um fator desencadeante identificável.
  • Insônia associada a transtornos mentais: Causada por/associada a um transtorno psiquiátrico subjacente (sintoma de um transtorno mental). Frequentemente associada aos transtornos de humor e aos transtornos de ansiedade.
  • Insônia associada a doenças médicas: Causada por/associada a uma condição clínica específica. Pode manifestar-se como insônia inicial, manutenção, ou, ainda, suscitar o relato de sono não restaurador. São condições clínicas frequentemente relacionadas: asma, hipertireoidismo, insuficiência cardíaca, síndromes dolorosas crônicas, menopausa, gravidez e doenças que acometem o sistema nervoso central.
  • Insônia associada a má higiene do sono: Presença de comportamentos que sejam incompatíveis com uma boa qualidade de sono. São exemplos desses comportamentos: cochilos, atividades físicas e intelectuais intensas próximas ao sono e atividades como assistir TV, alimentar-se ou ler na cama.
  • Insônia associada ao uso de medicamentos ou substâncias: Insônia secundária/associada ao consumo ou à interrupção do uso de medicamentos ou substâncias, como: antidepressivos, benzodiazepínicos, cafeína, teofilina, pseudoefedrina, álcool, corticoides e medicações antiepilépticas.
  • Insônia psicofisiológica: Somatória do estado de hiperalerta e associações aprendidas que comprometam o sono, como a “ruminação”.
  • Insônia paradoxal: Queixa de insônia sem a presença de comprometimento diurno ou o comprometimento é desproporcional à queixa.
  • Insônia idiopática: Início na infância, com longo tempo de evolução e impacto nas atividades diárias, além de ausência de fato precipitante.
  • Insônia comportamental da infância: Decorrente de uma disfunção comportamental específica, como falta de limites ou associação inadequada. Frequentemente, esse transtorno é acompanhado de alterações comportamentais diurnas, principalmente quanto à dificuldade de respeitar limites. As repercussões diurnas são comuns tanto nos pais quanto nas crianças.

Fonte: Fonte: Fascículo 2 do livro Depressão e seus Impactos